Blog da ABDeC / RN

O MinC que “fala grosso” com os pobres

Fonte: Trezentos

O MINC QUE FALA GROSSO COM OS POBRES E FALA FINO COM OS RICOS

Por Carlos Henrique Machado Freitas

A triunfalista Ministra da Cultura, Ana de Holanda, ganha do valor econômico, em mais uma desastrosa entrevista, a etiqueta de “Menos show e mais ação”. E partiu mesmo para a ação de criminalizar cinicamente os pontos de cultura e defender vergonhosamente o Ecad e a Lei Rouanet.

Até aí nada de novo. Sob seu comando, o MinC, em oito meses de permanente crise, promoveu um desastre contra as classes sociais menos favorecidas e colocou os ricos no olimpo. Mas a Ministra na entrevista deu também um show de soberba e, ao mais puro estilo “comigo ninguém pode” fez seu primeiro arroto real sentada no trono, dizendo não temer a travessa das bananas, pois muitos que declararam guerra a ela, juravam que sua gestão não passaria das festas de São João, tripudia do alto de sua onipotência.

Durante a entrevista, a Ministra, de boca cheia, fala de sua tipoia, a Secretaria da Economia Criativa, mesmo que ninguém, nem mesmo a sua secretária Claudia Leitão tenha noção do que a Ministra exclama como augusta obra-prima em seu cenário de papelão já surrado até mesmo nos bastidores da política nacional. O Ministério da Cultura tem se revelado um fiasco tão grande que até seus canzarrões não levam mais a majestade ao pé da letra. Mas ela põe uma estrela na porta de seu camarim, suspira e segue saltitante na entrevista, “o apoio do mundo da cultura foi praticamente total”. Upa!

Ocorre que Ana de Hollanda criou um império de normas que dá cada vez mais força ao papel dominante das normas privadas na esfera pública. Isso mais do que desnorteou a atmosfera cultural do Brasil, produziu insegurança e medo de que a politização da cultura se generalize com rapidez, além de outros processos negativos em diversos níveis do governo. E é neste momento que nas plenárias a presença de Ana se torna um processo distorcido. Coincidência ou não, já se tornou tradição o distanciamento do Palácio do Planaldo da imagem da Ministra. Na realidade é péssimo para a visibilidade de Dilma posar ao lado de Ana de Hollanda. E num típico fenômeno de quem não tem remédio, Ana praticamente não se encontrou com a Presidente Dilma, jamais esteve em seu gabinete para uma reunião, no máximo, chegou à Casa Civil.

Na verdade ninguém no governo quer levá-la a sério tamanha dificuldade que suas ações têm provocado com seus desequilíbrios e distorções na forma de agir na base estrutural do Ministério da Cultura. O MinC hoje mudou negativamente a paisagem geopolítica do governo Dilma. Preocupada em acomodar a fidalguia do Ecad e os Rouantes, institutos, fundações e os captadores corporativos associados, Ana, dentro do governo, virou macaco em loja de louça. Ninguém atura mais seu apelo exagerado de auto-piedade. Ela consegue o impossível a ponto de ser quase unanimidade negativa no território de nossa cultura.

Não há, portanto, a menor hipótese do seu vergonhoso sentimentalismo reverter essa pantomima de aforismos. A realidade é que todos estão cansados do niilismo original que se transformou em espetáculo de absurdos em um MinC contemplativo e redentor do mercado. É comum Ana ser considerada simplesmente como uma figura inventada na política, até porque jamais procurou inserir um pensamento humano que desse sentido à sua genealogia moral. Ana trabalha fortemente pelo poder dominante, é aí que ela aparece forte e contundente, sobretudo quando não aceita sob qualquer hipótese que o Ecad seja fiscalizado pelo Estado e, na entrevista, solta esta pérola de cinismo. “Não houve mudança. Eu nunca falei a palavra “fiscalizador” e continuo não falando”.

O fato é que, além dos cordeiros, e as aves de rapina que arrebatam milhões de recursos públicos via Lei Rouanet, não existe uma pessoa que não combata hoje esta “dourada vitória” da Minista sobre a cultura do povo brasileiro. Ela já nem disfarça mais que seu objetivo é, além de lutar para que os poderosos retomem a luz dentro do MinC, é sobretudo, criminalizar e isolar os pontos de cultura. E aproveita o ensejo para atacar milhões de brasileiros envolvidos com o Cultura Viva. “Se for para o Estado se tornar paternalista e assistencialista, eu sou contra. É preciso buscar formas de independência da ajudinha do governo.”

Não podemos sequer dizer que Ana mercantiliza a cultura. Quando olhamos através do espelho do MinC, podemos dizer com consciência tranquila que Ana mercantilizou os aportes públicos justamente onde lhe convém, dando aos porcos da captação, os sutis iluminados do capitalismo cultural, o atrativo maior de suas vidas, milhões de recursos públicos. Portanto, agora, onde teceu um tratado com as trevas, a Ministra continua preparando as festas das “bodas de marfim” dos elefantes de ouro, institutos e fundações erguidos e sustentados com dinheiro público via Rouanet.

Na entrevista da Ministra ao Valor Econômico, o que não deixou dúvidas é que ela não pretende deixar qualquer lacuna entre o poder dominante e o MinC. E assim permitir que o ideal ascético domine a atmosfera cultural do Brasil. Igualmente, no entanto, a índole da Ministra deixa claro que todas as modificações ébrias para destruir as bases sociais da cultura brasileira serão tratadas como um sistema prioritário e, portanto, a marginalização e a aplicação metódica de penitências aos Pontos de Cultura serão sempre objeto de uma prudente preocupação de sua gestão.

Anúncios

Sobre SRSC

Journalist. Filmmaker. Audiovisual Researcher. MediaDesigner. English Teacher.

Olá cineasta! Obrigado pelo comentário. Visite nosso grupo no Facebook. Volte sempre. abrs. Turma Abedista Potiguar.

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 10/09/2011 por em Audiovisual, Cine Mais Cultura, Cinema.
%d blogueiros gostam disto: